Poesia, música em piano e fotografia. Tudo assim: muito simples, que simples é muito melhor.

O que se escreve

Quinta-feira, 12 de Novembro de 2009

Em mim não vejo o depois,
Antes o vazio que me envolve.

Mostra-se disfarçado de nuvem,

Ora brilhante, ora inconstante.


A água parou de correr.

É hora, hora de escolher.

Hora de saber e conhecer

Que o que fiz, o que fui e o que vivi

Já de mim não fazem parte;

Que no que faço, no que sou e no que vivo,   

Jaz minha sorte e minha arte.                                       Minha varanda, 29-10-2009

 

 

 

Nota: O último poema dos três "espelhos". Escrito depois de Espelho Presente, a 19-07-2009.

Pedro Simão Mendes às 23:29