Poesia, música em piano e fotografia. Tudo assim: muito simples, que simples é muito melhor.

O que se escreve

Sexta-feira, 04 de Setembro de 2009

O tempo pára. Olho para trás.

O que fiz, o que fui, o que vivi,

Tudo ténue como uma névoa matinal,

Tão longe e, contudo, tão perto,

Reflecte-se em mim como a noite escura.

E o que fui, o que fiz e o que vivi

Volta a mim, voando dali para aqui,

Onde o tempo parou e, onde me encontro agora,

Volta palpável como a água, e sinto-me certo

Que se não vai embora...

Eu, num parque infantil em Braga, a 23-05-2008

Foto tirada por Cátia Graça

 

Nota: Poema escrito a 18-01-2009, faz parte de uma espécie de "trio" de poemas - Espelho passado, Espelho presente e Espelho futuro. O passado, por mais que não queiramos, volta-nos sempre à mente, uma vez por outra.

Pedro Simão Mendes às 10:10