Poesia, música em piano e fotografia. Tudo assim: muito simples, que simples é muito melhor.

O que se escreve

Domingo, 30 de Agosto de 2009

Num fatigante, fatídico e fatífero dia, a Filomena, na sua fátua fatiota, fugiu da família, para a Finlândia, a fim de frutificar a sua febril capacidade farmacêutica de fabricar fecundos fármacos que facilitam a fogosidade debaixo dos lençóis.

Formou família com o Filipe. Fortunearam e, felizmente, foram felizes.

 

 

 

Nota: Escrito em 14-02-2009, este é mais um daqueles textos espontâneos.

Foi utilizado e adaptado pelo grupo de teatro que frequentei (e, se tudo correr bem, frequentarei), T.J.V. [Teatro Já Vai (2º nível)] da Escola Secundária Alberto Sampaio, para a sua peça de teatro, "Porque é que não vais dar uma volta para espairecer?" apresentada no auditório da dita escola, a 2 e 4 de Junho.

Pedro Simão Mendes às 15:08

A peça de teatro foi de rir, principalmente esta parte xD

E o "foram felizes para sempre"? Estás a falhar...

@
Ana a 2 de Setembro de 2009 às 12:47

O texto original, que está postado, não tem "para sempre". No teatro, o texto foi adaptado e utilizou-se "fara fempre! fim. tim!"

Não falhei. (:

Eu sei xD
Estava a pegar contigo :p
Ana a 4 de Setembro de 2009 às 13:35